tamanho da letra : imprimir

Existe um outro jeito de VIAJAR PELO MAR

Imagine só você passar suas férias percorrendo as paradisíacas praias do litoral do Nordeste brasileiro deslizando sobre a imensidão do mar com o vento batendo no rosto. Já é possível curtir esse gostinho de liberdade. O programa Surfin Sem Fim oferece viagens inesquecíveis (e seguras) de kitesurfe, mesmo para quem nunca praticou o esporte. Prepare-se para essa aventura que ainda conta com charmosas hospedagens e outras comodidades para você ter essa prazerosa experiência

Vento soprando 300 dias por ano, água cristalina e quente, dias quase sempre ensolarados, recantos paradisíacos… Se você adorou a ideia de ter férias assim, precisa conhecer os roteiros do Surfin Sem Fim, que vão levar você a desvendar de kitesurfe a linda e selvagem natureza dessa costa que abriga o Delta do Parnaíba e os Lençóis Maranhenses. Nessas viagens, com sabor de aventura, você vai descobrir diversos rios que chegam até o mar e curtir aqueles incríveis lugares – e ainda sem nome – onde os carros não chegam, e nem mesmo os barcos conseguem passar.
E não se preocupe com o fato de nunca ter praticado o esporte. No litoral onde acontece o Surfin Sem Fim há escolas de kitesurfe. É o caso do Rancho do Kite, anexo à pousada Rancho do Peixe, na Praia do Preá, perto de Jericoacoara, que abriu suas portas em 2006. Por lá já passaram mais de 10 mil alunos e, hoje, ele é uma das maiores e mais respeitadas instituições do mundo, com 20 instrutores formados pela International Kiteboarding Organization (IKO) ensinando diariamente – e em seis idiomas.
Fora isso, há percursos para todo mundo – e de qualquer idade – vivenciar a magia de brincar pelas ondas, fazer saltos, velejar calmamente em superfícies flats e sentir a liberdade guiar. Uma das alternativas light é a rota de Preá a Camocim, com todas as facilidades e confortos que você pode sonhar. São diversas opções de roteiros de quatro a 13 dias, planejados para todos os níveis – do aprendiz ao experiente.
O melhor de tudo é que, seja qual for o destino que escolher, você poderá contar com ótima estrutura e logística oferecidas pelas equipes do Surfin Sem Fim e com o apoio de 19 pousadas locais. Todas são muito charmosas e garantem o conforto para você relaxar após atividades, com direito à sua excelente gastronomia.

COMO NASCEU O SURFIN SEM FIM
A história do Surfin Sem Fim começou nos anos 1990, quando Marco Dalpozzo aprendeu a velejar de kitesurfe na Praia do Preá, no Ceará. Naquela época, os meninos nativos da região organizavam corridas de windsurfe entre si, sempre a favor do vento leste, indo de um ponto a outro do mapa. A diversão despertou uma ideia e o instinto explorador dele. “Eu queria ver onde ia dar. Queria descobrir as distâncias, o tempo, as respostas físicas do meu corpo e o comportamento da minha cabeça. Mas esse primeiro impulso ficou pequeno ao fim da minha primeira travessia. Tudo que eu vi e senti diante daquela imensidão, velejando sozinho em direção ao infinito sem saber o que ia encontrar, me emocionou e me reconectou com a natureza de tal forma que pensei: outras pessoas precisam ter a oportunidade de experimentar essa mesma emoção”, conta Marco.
Isso o levou a convidar um amigo, o aviador francês Vincent, que, durante o percurso de Cumbuco a Flexeiras (114 quilômetros), também ficou impressionado com a experiência, a beleza da região, o mar morno e a constância do vento. Imaginaram se seria possível fazer trajetos mais longos. Começaram, então, a planejar uma expedição mais madura, e organizada, até Jericoacoara, calculando que conseguiriam fazê-la em três dias. Deu certo. “O Vincent tinha aproveitado as ondas durante o percurso e o meu ‘sem fim’ se juntou ao ‘surf’ dele”. Nascia, assim, o nome do projeto.
A partir de então, a região começou a ser mapeada, distribuída em diferentes rotas e graus de exigência (que vão de 15 até 1 000 quilômetros) e ganhou uma operação logística eficiente. Cada viagem tem um capitão e um copiloto, um chefe da equipe em terra e dois carros 4×4, além de equipamentos de comunicação via satélite que conectam quem está no mar ao pessoal de apoio. “Montamos uma operação análoga à das companhias aéreas, assim quem participa pode ficar tranquilo para curtir o trajeto com muita segurança”, explica Marco.
Atualmente, o Surfin Sem Fim atrai kitesurfistas do mundo inteiro, gente que está se aprimorando no kite e deseja experimentar esse outro jeito de viajar pelo mar. Todos amam – e a maioria volta para repetir a aventura, escolhendo, a cada vez, um novo e incrível destino.

QUEM LEVA
Auroraeco Viagens: www.auroraeco.com.br

Comentários


Deixe um comentário




O comentário não representa a opinião da revista Host&Travel; a responsabilidade é do autor da mensagem