tamanho da letra : imprimir

Turismo na Rússia

Flavio Mendes Bitelman

De alguma maneira, o maior país do mundo está mais próximo de nós atualmente. A quilometragem não mudou, mas o fim da exigência do visto de entrada, anunciado em junho de 2010, ajudou a encurtar a distância – e aumentar o interesse dos brasileiros. Lute contra o jet lag e corra para os principais atrativos de Moscou, de preferência, pelo subterrâneo para conhecer uma das redes de metrô mais luxuosas do planeta. A capital russa reúne o maior número de bilionários do planeta, segundo ranking da revista Forbes e, não por acaso, vem se consolidando como uma boa pedida para o turismo de luxo, seja nas lojas de grife instaladas na rua Tverskaya ou na crescente oferta de meios de hospedagens sofisticados e  restaurantes charmosos.

A segunda maior cidade russa, São Petersburgo, não fica atrás. Repleta de palácios barrocos e neoclássicos, a Cidade de Pedro trocou de nome duas vezes – já foi Petrogrado e Leningrado – para recuperar seu nome “de batismo” só com o fim da Guerra Fria. É lá que fica o Hermitage, o terceiro maior museu do mundo, com impressionantes 3 milhões de objetos expostos (que representam apenas 5% do acervo).

Terra de czares responsáveis por importantes acontecimentos em nível mundial, São Petersburgo também marcou a história de uma cidade brasileira. Foi lá que, em julho deste ano, o comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura deu ao Rio de Janeiro o título de Patrimônio Mundial. A Cidade Maravilhosa é agora o único município do planeta a contar com tal chancela, obtida graças à boa combinação entre ambientes naturais e construções humanas.

E que tal explorar as praias, o Corcovado e outros atrativos de um jeito mais alternativo? Nada de subir o morro para ver o Cristo, aproveite para admirá-lo ao nível do mar, em um delicioso fim de tarde no bairro da Urca. Esse é apenas um dos programas propostos pela jornalista Luiza Ferrão na seção 10+: o Rio dos cariocas. Desvende uma cidade que os guias turísticos não revelam e sinta-se parte dela.

Mas se quiser viajar a paralelos mais austrais, embarque em um roteiro de carro entre São Paulo e o Chuí. Faça a revisão mecânica e siga por uma das rotas mais cinematográficas de nosso território, repleta de serras sinuosas e vales profundos nos quase 2 mil quilômetros de trajeto. Pelo caminho, cânions, montanhas, reservas naturais e um curioso naufrágio que está prestes a ser consumido pelo mar e desaparecer. Lindos cenários e a sensação de liberdade te acompanharão por todo o caminho.

Boas viagens!

Comentários


Deixe um comentário




O comentário não representa a opinião da revista Host&Travel; a responsabilidade é do autor da mensagem